Estudos piloto e de viabilidade

Estudos piloto e de viabilidade são estudos realizados em menor escala com o objetivo de identificar se possíveis pontos chaves de um estudo futuro serão viáveis ou não.

Logo, estudos piloto e de viabilidade respondem uma pergunta muito importante: “O estudo principal deve ser conduzido da maneira planejada previamente ou algo deve ser modificado?”.

Por exemplo: O pesquisador deseja conduzir um estudo sobre exercícios físicos para pacientes com dor lombar crônica não especifica. Contudo, o pesquisador não tem certeza se esses pacientes irão aderir (ou seja, continuar comparecendo até o final do estudo) ao programa de exercícios proposto. Uma boa ideia seria o pesquisador conduzir um estudo piloto para mensurar a aderência deste tipo de paciente ao programa de exercícios proposto. Caso os pacientes tenham uma boa aderência o estudo maior poderia ser conduzido. Caso a aderência seja baixa, o estudo maior poderia ser modificado ou, em último caso, cancelado.

Estudos piloto e de viabilidade não possuem poder estatístico para reportar a efetividade/eficácia de alguma intervenção. Eles servem apenas para reportar desfechos ligados a viabilidade.

Infelizmente, muitos estudos piloto e de viabilidade publicados na área da saúde não deixam claro qual o componente de viabilidade está sendo testado e, também, não reportam que aquele estudo não deveria ser utilizado para uma tomada de decisão clínica.

Muitos profissionais da área de saúde tendem a utilizar os resumos dos estudos como uma forma de triagem para identificar possíveis e falhas metodológicas e a possível aplicabilidade daquele estudo na sua prática clínica. Estudos reportam que, aproximadamente, 63% residentes da área médica tendem a ler primeiramente ou apenas os resumos.

Sendo assim, integrantes do BBPRG conduziram, em parceria com a Universidade de Sidney (Austrália) e a Universidade McMaster (Canadá), uma revisão metodológica visando avaliar a qualidade de descrição dos resumos dos estudos piloto e de viabilidade de intervenção em fisioterapia e se os objetivos descritos nos resumos destes estudos tinham ligação direta com viabilidade.

Nosso projeto de pesquisa foi publicado no periódico BMJ Open em maio de 2019 e descreve de maneira detalhada a metodologia aplicada para a condução do estudo principal. Esse projeto pode ser encontrado aqui: https://bmjopen.bmj.com/content/9/5/e020580

Durante a condução da nossa revisão metodológica (em processo de redação final) pudemos observar que 1325 estudos indexados a base de dados PEDro (Physiotherapy Evidence Database) se denominavam como estudos piloto e de viabilidade. Dos 1325 estudos incluídos na nossa revisão apenas 42% reportavam durante a descrição do resumo objetivos ligados diretamente com viabilidade. Ou seja, eram apenas estudos pequenos, transvestidos de estudos de viabilidade. Obviamente, um ato que confunde os profissionais de saúde. Fiquem atentos a estudos de viabilidade ou pilotos. Talvez eles não sirvam para você!

Referências

Thabane L, Ma J, Chu R, et al. A tutorial on pilot studies: what, why and how? BMC Med Res Methodol. 2010; 10: 1.

Cocks K and Torgerson DJ. Sample Size Calculations for Randomized Pilot Trials: A Confidence Interval approach. Journal of Clinical Epidemiology. 2013.

Lancaster GA, Dodd S, Williamson PR. Elaboration and analysis of pilot studies: recommendations for good practice. J Eval Clin Pract. 2004; 10 (2): 307-12.

Moore et al. Recommendations for Planning Pilot Studies in Clinical and Translational Research. Clin Transl Sci. 2011 October ; 4(5): 332–337.

Eldridge SM, Chan CL, Campbell MJ, Bond CM, Hopewell S, Thabane L, et al. CONSORT 2010 statement: extension to randomised pilot and feasibility trials. Pilot Feasibility Stud. 2016;2:64.

Pitkin RM, Branagan MA. Can the accuracy of abstracts be improved by

providing specific instructions? A randomized controlled trial. JAMA.

1998;280(3):267-9.

Beller EM, Glasziou PP, Altman DG, Hopewell S, Bastian H, Chalmers I, et al.

PRISMA for Abstracts: reporting systematic reviews in journal and conference

abstracts. PLoS Med. 2013;10(4):e1001419.

Hays M, Andrews M, Wilson R, Callender D, O’Malley PG, Douglas K.

Reporting quality of randomised controlled trial abstracts among high-impact general

medical journals: a review and analysis. BMJ Open. 2016;6(7):e011082.

Barry HC, Ebell MH, Shaughnessy AF, Slawson DC, Nietzke F. Family

physicians’ use of medical abstracts to guide decision making: style or substance? J Am

Board Fam Pract. 2001;14(6):437-42.

Sriganesh K BS, Wang M, Abbade LPF, Jin Y, Philip M, Couban R, Mbuagbaw

L, Thabane L. Quality of abstracts of randomized control trials in five top pain journals:

A systematic survey. Contemporary Clinical Trials Communications. 2017.

Scola LFC, Moseley AM, Thabane L, et al A methodological survey on reporting of pilot and feasibility trials for physiotherapy interventions: a study protocol

BMJ Open 2019;9:e020580. doi: 10.1136/bmjopen-2017-020580

Por Luiz Scola
23 de abril de 2020

Ver estudo

CONTEÚDOS EM DESTAQUE

Spin em pesquisa clínica: resumos não devem ser utilizados para tomada de decisão clínica

SAIBA MAIS

BMJ Open: Estudos piloto e de viabilidade, por Luiz Scola

SAIBA MAIS

Terapia de fotobiomodulação não diminui dor e incapacidade para dor lombar não específica

SAIBA MAIS