PBE no tratamento da dor lombar

A Adesão à Prática Baseada em Evidências na Condução do Tratamento de Dor Lombar por Fisioterapeutas Brasileiros

Esse estudo teve como objetivos: 1) Investigar se os fisioterapeutas brasileiros aderem às diretrizes de prática clínica para tratamento de dor lombar publicada pela Associação Americana de Fisioterapia (American Physical Therapy Association – APTA),

2) Entender se os fisioterapeutas são capazes de reconhecer dor lombar associado a bandeiras vermelhas ou dor lombar associado a bandeiras amarelas.

Convidamos fisioterapeutas afiliados a duas associações nacionais para responderem uma enquete. Esta enquete foi desenvolvida a partir das diretrizes de prática clínica para o tratamento de dor lombar, publicada (de livre acesso) pela Associação Americana de Fisioterapia (APTA). Nela haviam seis casos clínicos hipotéticos de dor lombar e os profissionais tinham 27 possíveis opções de resposta para cada caso clínico. Os fisioterapeutas poderiam escolher até cinco opções de tratamento para cada caso.

A resposta de cada caso clínico foi interpretada da seguinte forma: 1) Adesão completa às diretrizes, quando os fisioterapeutas acertaram todas as opções mandatórias (sendo as mandatórias no máximo duas para cada caso); 2) Adesão parcial, quando os fisioterapeutas marcaram pelo menos uma opção mandatória; e 3) Não adesão, quando os fisioterapeutas não marcaram nenhuma das opções mandatórias.

158 fisioterapeutas responderam a enquete no formato eletrônica e 31 responderam presencialmente nos eventos promovidos pelas associações nacionais, totalizando 189 participantes (taxa de resposta=35,6% do total de convidados). De modo geral, a taxa de adesão completa às diretrizes de prática clínica foi extremamente baixa para todos os casos (com taxas variando entre 5 e 24%). Já a taxa de adesão parcial às diretrizes foi maior quando comparada à adesão completa (com taxas de acerto variando entre 32 e 75%). Também observamos que os fisioterapeutas demonstraram reconhecer melhor as bandeiras amarelas (75,3%) do que as vermelhas (24,8%).

Concluindo, fisioterapeutas brasileiros não utilizam adequadamente as diretrizes de prática clínica para tomada de decisão na condução de pacientes com dor lombar. Além disso, os fisioterapeutas demonstraram reconhecer melhor dor lombar associado a bandeira amarela do que dor lombar associado a bandeira vermelha. Medidas para melhorar a adesão as diretrizes de prática clínica devem ser urgentemente realizadas.

Faça o download do artigo

COMPARTILHE ESTE CONTEÚDO NAS SUAS REDES SOCIAS

Por Fabricio S. de Souza
15 de maio de 2020

baixe o artigo

CONTEÚDOS EM DESTAQUE

O Brazilian Back Pain Research Group, pela segunda vez, é contemplado no Prêmio de Teses da CAPES

SAIBA MAIS

BMJ Open: Estudos piloto e de viabilidade, por Luiz Scola

SAIBA MAIS

Terapia de fotobiomodulação não diminui dor e incapacidade para dor lombar não específica

SAIBA MAIS